Nota do Blog: Como Historiador, sempre fui fascinado pela historiografia humana, principalmente pela das 'baixas' camadas sociais e como gosto do History Channel na Sky, há meses passou algo sobre o título desta postagem em um intervalo comercial e,como tais coisas não são ensinadas em nossas escolas/faculdades, como que para esconder tratamento dispensados aos negros naquela época, mas que atualmente nada mudou.

Os tigres do Rio
Todo dia de manhã, eles eram esvaziados em barris de madeira que ficavam embaixo das escadas ou em um canto mais recolhido da casa. Quando o tonel já estava quase transbordando, recorria-se ao “préstimo” do escravo! Era sobre as cabeças deles que o peso das barricas era conduzido para ser despejado na “beira” das marés. Em seguida, os carregadores retornavam com os recipientes vazios para receber nova carga.
Esses barris eram chamados de “tigres” e os seus condutores, de “tigreiros”. Talvez o nome fosse uma alusão à coragem dos carregadores ou, quem sabe, à imagem desagradável das barricas que, ao transbordar, espalhavam fezes nos corpos dos escravos e dos negros de ganho, numa combinação que lembrava a pelagem dos tigres. Existem versões que afirmam que o apelido foi dado porque, ao avistar os negros levando barris de dejetos, os transeuntes, com medo de ficarem sujos, afastavam-se rapidamente, como se fugissem de um animal selvagem.